CEARÁ FOI BRASIL NO MUNDIAL!

Uma das emoções mais fortes na minha vida (a maior no esporte que amo), revelo aqui para vocês, em toda sua extensão, que vivi no dia de ontem, quando me encontrava no Morro da Urca, na cidade maravilhosa, ao lado de pessoas especiais, num momento proporcionado por uma grande menina mulher, mas principalmente por um enorme menino homem, e com algo em comum entre eles: ambos são cearenses.

Isabela Sousa, nossa tricampeã mundial, e Diego Gomes (17 anos), campeão cearense open do ano passado, simplesmente, foram os vencedores de duas das três categorias disputadas na etapa brasileira do circuito mundial deste ano, terminada ontem, na inigualável Itacoatiara, em Niterói/RJ e, o melhor, representaram todo o país, já que na profissional masculino o título foi para o País Basco. Isabela, ficou mais próxima do seu tetracampeonato, e Diego, no seu primeiro mundial, além de passar em primeiro em todas as baterias disputadas, venceu na final os atuais campeão e vice da categoria.

DSC_6524 DSC07594 1 DSC07791

Trata-se de um feito inédito na história do bodyboarding cearense, pois em 1995, quando pela primeira e, até então, única vez, ganhamos uma etapa de mundial (Melk Lopes, na principal categoria), ficamos em segundo lugar em outra (Luís Gustavo, na amadora). Além disso, os dois (Isabela e Diego) entraram para a história como os primeiros brasileiros a vencerem a etapa de Itacoatiara do circuito mundial, desde sua primeira edição em 2012.

O evento contou com a participação de dez atletas da “Terra do Sol”, divididos nas três categorias, sendo que, na profissional masculino, nos representaram Roberto Bruno (pentacampeão brasileiro profissional 98/01/02/03/04), João Paulo “Jeff” (campeão cearense profissional 2015), Isaías Ravyc (bicampeão cearense – open/2012 e pro/2014), Erik Silvino (campeão brasileiro amador 2012), José Willame (bicampeão cearense – open 09/10) e Guilherme Câmara (campeão cearense pro jr 2015); no feminino, Isabela Sousa (tricampeã mundial 10/12/13) e Patrícia Setúbal (tetracampeã cearense profissional 09/10/11/15); e na Pro Jr, Diego Gomes (campeão cearense open 2015) e Marcelo Gonçalves (bicampeão cearense – estreante/2012 e open/2013). A equipe cearense na competição, também contou com dois integrantes da ACEAB (eu e Rodrigo), além de três fotógrafos (eu, Caio Victor e Lima Jr).

No primeiro dia (16/6), triagens das duas profissionais, todos os cearenses avançaram, menos Isaías. No dia seguinte (17/6), todos avançaram no round 2 das triagens da profissional masculina, mas no seguinte Erik e José Willame foram eliminados. No feminino, Isabela e Patrícia se classificaram para as oitavas-de-final. No terceiro dia (18/6), Marcelim e Diego avançaram três rounds e chegaram às semi-finais, enquanto que no feminino Patrícia ficou nas quartas e Isabela continuou. No quarto dia (22/6), foi a vez dos top’s profissionais caírem e, numa disputa exclusivamente cearense na repescagem do round 5, João Paulo “Jeff” eliminou Roberto Bruno. No dia seguinte, 5º dia de evento (23/6), nosso único representante na principal categoria masculina derrotou o local de Itacoatiara, José Otávio, e chegou às oitavas-de-final. Ontem, último dia da competição (26/6), João Paulo foi eliminado pelo chileno Matias Dias, na profissional masculina (categoria vencida por Alex Uranga), mas fomos campeões nas outras duas.

DSC_6497 DSC07789 1 DSC07645 1

O Itacoatiara Pro 2016, maior etapa do circuito mundial de bodyboarding, nunca será esquecido, por vários motivos, dentre eles, a grande polêmica envolvendo dois brasileiros, um deles cearense (Marcelo Gonçalves), e que provocou a mudança das regras, devido marcação feita e eliminação precoce do campeão da categoria na edição anterior (o havaiano Tanner Mac’Daniel, “cria” do eneacampeão mundial Mike Stewart), já que foi considerada um exagero, pelos principais dirigentes, atletas e árbitros brasileiros, tendo em vista que, no passado, muitos dos nossos passaram por situações semelhantes e nunca houve atitude dessa natureza, partindo da principal entidade do esporte. Outro motivo, foi o swell que o antecedeu, considerado o maior dos derradeiros cinco anos, além do frio, tratado por moradores como o mais forte das últimas trinta temporadas. A terceira causa, foi a lembrança, durante a festa do pódio, do grande Francisco Rosa, que, diante das dificuldades enfrentadas, títulos alcançados e herança deixada, também foi responsabilizado pelas nossas vitórias; e por último, o esforço empreendido por todos os cearenses para participarem da etapa, ao ponto de dois deles (Erik e Isaías) venderem brownies para pagarem suas inscrições e se manterem na cidade.

DSC_5599 1 DSC_6052 DSC_6111

Gostaríamos de parabenizar à “tempestade cearense”, ou “rapadura storm”, como ficou conhecida toda nossa equipe durante o evento; a todos os patrocinadores dos nossos atletas; a atitude de Tom Santiago, ex-presidente da federação, que saiu em defesa do nosso cearense envolvido na polêmica;  a toda ACEAB, pelo apoio virtual e também referida defesa, principalmente, dos head-judges; a Isabela Sousa, pela contribuição dada na beira da praia aos nossos jovens atletas, como também pela atitude no referido swell relacionada a João Paulo “Jeff”, ao emprestar a pranchar para ele conseguir sair do mar, após o mesmo levar uma série monstruosa na cabeça; ao árbitro da ACEAB, Rodrigo Silva, o “Bob”, que deu um auxílio fundamental aos nossos competidores, desde a primeira bateria até a grande final; mas principalmente à toda GBB (Escolinha Geração Bodyboard), especificamente, Patrícia Setúbal (fundadora), Reginaldo Cabral (árbitro da ACEAB) e Van Gomes (instrutor), pelo grande trabalho realizado na formação desse já grande atleta Diego “Monster” Gomes.

E agradeço, profundamente, a todos aqueles que, de alguma forma contribuíram comigo, dentre eles, “Mano”, Peixoto e “Pinguim”, mas em especial a três pessoas, essenciais na realização desse meu imenso sonho de conhecer o Rio de Janeiro, e participar, pela primeira vez, de uma etapa do circuito mundial na incomparável Itacoatiara: minha mulher, Noeme Cristina, inclusive, durante o evento; seu irmão, Jorge Antônio; e sua cunhada, Denise Cavalcante. Nunca esquecerei desse momento único que vivemos e, mais uma vez, muito obrigado!

RAPADURA É DOCE, MAS NÃO É MOLE !!!

 

Curiosidade…

O nome Itacoatiara é originário da língua indígena e significa “Pedra Pintada”.. Procede do tupi ou nheengatu itá: pedra; e coatiara: pintado, gravado, escrito, esculpido.

 

One comment

  1. Show de cobertura do evento e show a participação do “rapadura storm” nessa etapa do mundial. Vida longa ao bodyboard!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s